quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Teatro "Circense" em JLA Unlimited


Há quem diga que o DCU animated é o universo DC feito "direito". De fato, o trabalho de Paul Dini e Bruce Timm tem muitas qualidades, eles souberam dar um lustro para ícones do DCU e capitalizaram em cima do revival dos Super Seven capitaneado por Grant Morrison no fim dos anos noventa. Já era mais do que tempo de uma nova geraçaõ de jovens telespectadores serem iniciados televisivamente na mitologia decenáutica via um canal acessível e capaz de entreter sem complicar o meio de campo.

Entretanto, como já aconteceu outras vezes no que diz respeito à Wonder Woman o desenho deu as suas pisadas na bola. Uma das principais foi pegar uma personagem que é a arquinimiga pós Crise da heroína, a feiticeira imortal Circe, e reformatá-la para ser, visual e conceitualmente, um spinoff da Sersi dos Eternos da Marvel, ela própria a versão Marvel da Circe mitológica.
Está tudo lá, além das cores básicas do biquini e o design, flertando com o plágio, o senso de humor , a atitude "frívola", a vaidade, o leve tom irônico mas sedutor, não há nada da vingativa, implacável e sarcástica/furiosa versão decenáutica mostrada aqui há pouco tempo atrás.

E, pra piorar, parece que além de copiarem a Sersi queriam fazer dela a companheira do Jamie Maddrox da Marvel, o Homem Múltiplo ( estava tentanto lembrar onde tinha visto esse design das bolinhas douradas em fundo verde)




Para vcs verem a diferença olhem só a original com seu visual Pós-Crise clássico feito por George Pérez



O visual atual da personagem no DCU, traço de Aaron Lopresti




Sua história bem resumidinha aí







E a personagem foi usada para um episódio comic- relief que, pra variar, só serviu para fazer o todo poderoso Batman sair "por cima" de personagens da mitologia da Wondy, já pela terceira vez no desenho: primeiro a própria Diana, que está toda de chamego com ele, depois a Cheetah que, foi depowerizada pra virar uma Mulher Gato de quinta cateogoria, e , agora , a Circe que parece se tornar uma versão light da Hera Venenosa.

Todas as três pagando pau pro Batman devido à sua "sheer awesomeness". Disgusting. Eu entendi o tom descontraído do episódio, dei minhas risadas, ( o balas e bracelete da Diana "porquinha" foi divertido) mas preferia que eles tivessem pegado alguma outra encantatriz do DCU ao invés de "esvaziar" mais uma vilã de primeiro escalão da rogues's gallery da Diana só pra fazer o Batman parecer o salvador da pátria em um episódio onde Diana , ainda por cima, é " donzela em perigo" para ser salva pelo Cruzado de Capa.

Sai um abacaxi do Chacrinha pra esse episódio infeliz ( não que eu não consiga dar minha risadas preferia só que eles tivessem criado uma nova personagem ao invés de esculhambar com a vilã-mor da Diana Pós-Crise plagiando a Sersi da Marvel.



2 comentários:

Neno disse...

Ahhh nada a Ver, Circe é uma Deusa.
A Marvel copiou a Sersi → Sirse = Circe da DC Comics.

PauloIapetus disse...

A Marvel adaptou a Circe mitológica fazendo dela uma da raça dos Eternos, que na Marvel, para todos os efeitos e própósitos são exatamente iguais a deuses. Acho, inclusive, que não existe uma Circe "deusa" olimpiana na Marvel , o papel dela é mesmo desempenhado pela eterna.

A Marvel não copiou a Circe da DC porque a personagem ainda não existia e só iria fazer sua primeira aparição , mesmo em versão Pré-Crise, nos anos 80.

Os animadores, claramente, pegaram a personagem da DC mas deram a ela a personalidade e visual da sua contraparte Marvel porque não se importaram em fazer pesquisa para entender a vilã da DC e só se preocuparam em pegar a personagem que é o equivalente Wonder Woman do Coringa e usar para finalidade cômica, se valendo da caracterização do equivalente da Marvel.